Um novo vinho que nasceu das águas

O Conde d'Ervideira Vinho de Água esteve mergulhado nas águas do Alqueva e isso faz toda a diferença. Milhares de garrafas passam por este estágio.

 

Há um barco que navega devagar, muito próximo do cais e dois mergulhadores que desaparecem dentro de água. Do interior do barco espreitam Duarte Leal da Costa e Nelson Rolo, o diretor-geral e o enólogo da Ervideira, respectivamente. O mergulhador emerge e com ele um grito de satisfação. Foi encontrada uma das seis caixas que a empresa fez submergir no Alqueva, junto à Marina da Amieira, em junho e em outubro passados.

O barco aproxima-se da margem e os dois responsáveis saltam satisfeitos para terra firme. Em simultâneo, há um trator que puxa uma corda, na ponta desta está a caixa de plástico cinzento que armazena 350 garrafas de vinho tinto, uma reserva de 2014 que esteve estagiando no fundo do rio, durante vários meses. É o Conde d’Ervideira Vinho de Água. “Devagar! Calma! Para, Narciso”, ouvem-se os gritos de quem gere a operação. A caixa já está junto ao cais e é  retirada e colocada num local seco. De imediato é rodeada pelos curiosos.

Duarte Leal da Costa aproxima-se e abre a caixa. Esteve, selada, em profundidades entre os 22 e os 36 metros. À sua volta está a família (a mãe, quatro dos cinco irmãos e respectivas famílias ); os distribuidores e outros parceiros; o ministro da Agricultura Capoulas Santos e a secretária de Estado do Turismo Ana Mendes Godinho; diversas entidades ligadas ao Alentejo, ao turismo e ao vinho; e os jornalistas. Todos tentam espreitar para dentro da caixa. Há quem faça selfies com as garrafas como pano de fundo. 

Com uma camisa às riscas azuis e o logótipo da adega da Ervideira no bolso da mesma, em vermelho – com as iniciais do apelido Leal da Costa –, o diretor geral olha para as garrafas e é com um sorriso que explica todo o processo. Tudo começou com um sonho. São os sonhos e os desafios que o fazem vibrar e viver, confessará mais tarde, já depois do almoço. “Vamos sonhando e vamos criando”, dirá então, ladeado pela mãe e pelo enólogo. Mas ao final da manhã de sábado, Duarte Leal da Costa opta pela informação: já sabemos que nos naufrágios os vinhos e licores que são resgatados são bons; já outros fizeram esta experiência, com melhores ou piores resultados, quer em Portugal, quer em França, por exemplo, por isso, a Ervideira não é a primeira a experimentar estagiar os vinhos debaixo de água.

No entanto, os resultados são positivos e se não o fossem o produtor vitivinícola alentejano não estaria disposto a, ao mesmo tempo que retira as seis caixas, de ter outras já alinhadas para entrarem no rio – “oito a dez mil garrafas”, informa. Ali, por ser o Grande Lago do Alqueva, a temperatura e a luminosidade são as mesmas, de Verão e de Inverno; não há correntes, logo as caixas não se perdem, nem o seu conteúdo se destrói – estas são resgatadas com a ajuda dos bombeiros de Portel, Reguengos e Lourão. Antes de entrarem dentro de água, as garrafas são certificadas pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana.

E depois de um passeio de barco pelo lago, é tempo de almoçar e experimentar o vinho, uma mistura de várias castas: Touriga Nacional, Aragonês, Alicante Bouschet e Cabernet Sauvignon. A cada conviva são dados dois copos, ambos com o mesmo vinho, a reserva Conde d’Ervideira 2014. As diferenças? O primeiro estagiou em barricas de carvalho francês e foi engarrafado. O segundo também, mas depois estagiou dentro de água. Se as garrafas são iguais, os rótulos nem por isso: o primeiro é tradicional com letras douradas num fundo negro; o segundo é branco com linhas que lembram a paisagem onde o vinho estagiou.

 

Adorei a experiência

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!