Vinhas Velhas

 

As vinhas velhas são uma contradição. Por um lado, cada vez se arrancam mais, devido à sua decrepitude e diminuta produção. Por outro lado, cada vez são mais apreciados por alguns produtores, que nelas baseiam os seus melhores vinhos. E a designação “vinha velha” no rótulo é quase uma garantia de qualidade para muitos consumidores…


Que segredo encerram estas cepas capazes de nos dar uvas sábias que fazem arte na forma de vinhos? Qual é, ou quais são, as pequenas diferenças que fazem toda a diferença e que levam a que muitas vezes um vinho de vinhas velhas valha 10 vezes mais do que um outro vinho das mesmas castas vindo de uma vinha jovem? Qual é a sabedoria destas cepas especiais?


São perguntas sem resposta concreta. O tema, que encerra uma certa dose de polémica, é muito antigo, mas só recentemente começou a ser explorado do ponto de vista comercial. A importância mediática e o estatuto que têm atingido algumas destas vinhas têm levantado inúmeras questões que sugerem a necessidade de futura regulamentação do termo e respectiva exploração. Mas por enquanto tudo continua sem regras e uma vinha velha pode ter muitas faces.


Afinal, quantos anos tem uma vinha velha?


Primeiro que tudo convém esclarecer o conceito de vinha velha. A pergunta é tão velha quanto a história da própria videira. Quando é que podemos considerar que uma vinha está velha?


O conceito de idade está colado aos regulamentos comunitários de produção de uva que são bem explícitos: uma vinha só pode produzir uva para vinho depois de 3 (às vezes mais) anos de idade. Portanto o conceito de idade, neste caso idoneidade mínima de uma videira para o fabrico de vinho, é um factor que é tomado em conta desde a nascença da planta. Mesmo nos primeiros 6 a 8 anos de idade a maioria dos viticultores do Velho Mundo não considera a cepa apta à produção dos melhores vinhos sendo normalmente conduzidas para segundas ou terceiras marcas.


Depois do oitavo ano de produção a vinha tem um sistema radicular e uma estrutura aérea vegetativa estabilizadas e inicia a sua idade produtiva propriamente dita.


Entre os 20 e os 25 anos de idade é consensualmente aceite que a videira começa a produzir menos, iniciando a produção de uva de sabor mais concentrado. A partir daqui aceita-se que a videira começa a envelhecer. Mas podemos considerar que está velha?


Como não há consenso permito-me ter opinião própria relativamente ao assunto, e considero que uma videira entre os 20 e os 50 anos de idade atravessa a idade adulta rumo à velhice, mas os índices de produção e o tempo de vida ainda não permitem chamar-lhe “vinha velha”. A partir dos 50 anos de idade o termo “vinha velha” pode-se aplicar sem receios de ferir ouvidos mais cépticos.


À medida que a velhice vai avançando, a videira produz cada vez menos uvas mas normalmente uvas muito equilibradas e intensas no aroma e sabor. A película da uva da vinha mais velha é normalmente mais espessa, tem mais taninos e a polpa tem mais sabor. Contudo estas vinhas velhas têm uma exploração dispendiosa e para muitas agro-indústrias, uma vinha velha pouco produtiva, poderá ser inviável do ponto de vista económico.


Quanto maiores os tormentos, maior a velhice


A modo de exploração da videira, a casta ou clone e qualidade do indivíduo vegetal e o seu habitat determinam a sua perenidade, longevidade, produção e qualidade da mesma. O stress provocado por agressões ambientais e de exploração fragilizam a planta; a seca, o frio excessivo, os cortes da poda, o uso e abuso dos químicos de síntese são alguns dos atropelos que fazemos à espécie vegetal. Donde que uma vinha com 30 anos, submetida aos tormentos de uma exploração super intensiva pode ser velha e decrépita enquanto outra de 60 anos, com uma população saudável de indivíduos vegetais, que beneficiou de uma exploração menos intensiva, que não sofreu intoxicações com químicos de síntese e que teve as feridas da poda desinfectadas que impediram a contaminação viral e bacteriana, pode produzir quantidade com qualidade por muitos mais anos.


A casta e a sua origem terão também uma importante palavra a dizer na longevidade da cepa. Há castas muito mais resistentes aos atentados que lhe fazemos que outras. A globalização galopante e a promiscuidade varietal entre países e continentes pode também fazer mossa à perenidade da vinha. Por exemplo, é sabido que o Pinot Noir não gosta de viajar e é de aceitar que uma vinha velha de Pinot terá obviamente uma idade completamente diferente na Borgonha que no Oregon dos EUA.


Um conceito muito subjectivo


Quando um produtor de qualquer nova região nos diz que tem vinha velha devemos sempre perguntar: com que idade?


O conceito muda com a região de origem e os critérios do produtor. Numa região com um historial recente como é o caso da maior parte do Alentejo, uma vinha com 20 anos é considerada velha. Numa região com longo historial e rica em vinhas velhas e muito velhas, como o Douro, aceita-se que o produtor diga que o vinho vem de vinha velha se esta tiver pelo menos 40 ou 50 anos.


A questão de “quantos anos tem de ter uma vinha para ser velha” já era discutida pelos Romanos. E desde então ainda não se chegou a consenso.


Num pequeno inquérito feito pela Wines & Vines quanto à necessidade de legalizar o termo “Vinha Velha” para questões de rotulagem nas principais unidades produtivas na Califórnia (onde se encontra o maior área de vinha velha de Vitis vinifera), 71% dos inquiridos concordaram com a legalização do termo. Mas quando se pede a idade mínima para uma vinha poder ser considerada velha, 63% considera um mínimo de 50 anos de idade enquanto 28% são a favor de uma idade mínima de 20 anos. Quando questionados quanto à idade da vinha que fornece uvas para o seu(s) rótulo(s) de vinho de vinha velha, 39% afirma que a vinhas estão entre ao 15 e os 49 anos e 32% dão uma idade entre os 50 e os 80 anos.


A falta de consenso e de conceito é um dos entraves à plena validade do item na exploração do marketing. Além de que não podemos esquecer a habitual ausência de dados concretos: quantas vezes perguntamos a idade de uma vinha velha a um determinado produtor e ele responde: calculo que deva ter mais de 40, 50 ou mesmo 60 anos.


Contudo o conceito existe e é explorado por alguns produtores. E não há dúvida que encerra algo de mágico, porque para muitos (e não são assim tão poucos) quanto mais velha é a vinha mais sábia se torna.


Na verdade faltam estudos científicos que comprovem aquilo que todos sentem: existem vinhas velhas que produzem vinhos extraordinários mas também não é menos verdade que nem todas as vinhas velhas os produzem.


Velhas mas sábias


A justificação para uma melhor qualidade de uva em vinhas velhas bem tratadas e com castas de qualidade na sua população vegetal, tem como suporte três causas principais: a decadência do porte vegetativo traz mais equilíbrio produtivo à videira (boa relação entre folhas e frutos); os seus frutos passando a ser em menor quantidade, têm também bagos mais pequenos e dão origem a mostos mais intensos e concentrados; por outro lado o sistema radicular é mais vasto e profundo conseguindo ultrapassar facilmente a falta de água e o calor de Verão assegurando uma maturação mais completa e uniforme; por fim a cepa gorda e retorcida, exemplo vivo de passado antigo, tem na sua matéria lenhosa bastante mais reservas de hidratos de carbono que uma inocente e delgada videira jovem. Estas reservas de amido permitem-lhe maior independência e rigor relativamente à missão de crescimento e maturação dos frutos. Ou seja, uma videira velha tem muito mais possibilidade de amadurecer conveniente e equilibradamente a sua produção que uma videira jovem; simplesmente porque dispõe de mais recursos naturais para o efeito.

 

João Afonso (texto) e Ricardo Palma Veiga (fotos)

https://www.revistadevinhos.pt/artigos/show.aspx?seccao=reportagens&artigo=14445&title=vinhas-velhas&idioma=pt


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!